Palavras!

Dói. Às vezes dói escutar aquilo que nos é falado, muitas vezes não entendemos, outras vezes machucamos com o que falamos. Mas a vida é assim cheia de palavras incertas, atitudes e olhares que nos enchem de dúvidas, nos alegram, nos amaldiçoam e abençoam. A vida é assim. E quando menos esperamos estamos lá, em meio às frases, algumas vezes chorando, ou rindo. Mas sempre vivos e cheios de expectativas para o novo.

Nem sempre o que ouvimos é aquilo que queríamos entender, e nem sempre o que queremos é o que falamos, e em um redemoinho de pensamentos nos deixamos levar pela imaginação das confusões das palavras ditas de modos e formas diferentes, transbordando sensações inusitadas, perfeitas, dolorosas.

No final basta as reações, abraços, pedidos de desculpas e conclusões.

Para aqueles que querem haverá sempre um final feliz.

Para os outros…

“Havia duas pessoas, que se tornaram uma, e por palavras mal ditas se tornaram três�.

Nova sociedade!

Nova Sociedade

Os segundos passam, o tempo corre e a cada dia parece que este tempo é menor, que os minutos já foram, e o engraçado, é que quanto mais o tempo passa, os “outros” conseguem mais tempo para cuidar do alheio, essa é a nossa nova sociedade?

Se fosse ruim (não estou dizendo que estou ileso a esta situação.), ninguém fazia, o mundo viveria em perfeita harmonia ou não. Mas quem sabe esse marasmo nos chateasse e continuaríamos ou começaríamos a procurar o novo, algo que nos satisfizesse e com certeza o alheio seria descoberto.

E o que seria de nós sem essa vontade de saber, de falar, ou de ver? O que seria de nós? Não sei responder. Afinal, nunca vi uma sociedade que não goste desse poder, independente do credo ou da ideologia.

O problema é que existem sentimentos que não deveriam ser esquecidos, princípios que não deveriam acabar, e, que hoje a sociedade não usa mais, ou não percebe que não está usando. O amor está sendo deixado de lado pelo simples fato de “ser” careta, retrógrado. É melhor ser banal (mais aceito por essa sociedade.), do que falar do amor.

Longe de nós, cada dia mais longe ele se torna. Mas cabe a nós mesmos resgata-lo, e se é necessário pode começar. Chamem-me de careta.

Imagem: Cody Doherty on Unsplash

Baseado em fatos reais!

No consultório

Essa história eu postei no meu blog em 02/06/2004, mas não custa nada relembrar e além do mais ela é baseada em fatos reais! Abaixo segue o relato:

O médico sai da sua sala, com os exames em sua mão e chama o nome do paciente:

– Por favor o Sr. Letisgo.

Ninguém se manifesta.

РSr. Letisgo? Pergunta mais uma vez o m̩dico

E nada. E ele começa a andar de um lado para o outro no corredor do hospital, chamando o paciente.

РLetisgo? Sr. Letisgo? Ṇo tem ningu̩m chamado Letisgo aqui??

O médico então desiste, e vai andando para a sua sala, quando estava quase entrando, uma senhora de sotaque forte se levanta e pergunta a ele:

– Dotô, por um acaso não seria “Let’s Go“?

Conversa!

É tão bom poder ver que ainda se tem amigos, e amigos que realmente nos amam, que estão sempre do nosso lado, nos apoiando, nos criticando, mas sempre nos ajudando a traçar nosso caminho.

Conversamos muito, sobre muitas coisas, e, de repente já era hora de ir embora. Que pena, essa noite podia não ter acabado. Mas nem todo mundo tem uma vida igual a minha de desempregado, todos tinham ou que trabalhar ou estudar e hoje ainda é quinta-feira.

Aquele que encontrou um amigo encontrou um tesouro! Caramba! Então eu sou rico!

E depois de todos os acontecimentos* sabemos realmente que são nossos amigos.

“Aqui é difícil, mas, é melhor do que lá�.– Uma mulher que voltou para Pernambuco depois de passar um mês em São Paulo. (Jornal da Globo)

* Um dia, se eu tiver vontade eu conto os acontecimentos!

7 de Setembro!

Hoje eu acordei cedo pra ir ver o desfile de sete de setembro aqui em Guarulhos, e percebi algumas coisas:

A cidade fica ao “Deus dará”, policia, guarda civil e bombeiro, estavam em peso… isso quer dizer que eu podia ter assaltado um banco e ainda ter colocado fogo nele, que ia dar tempo de fugir sossegado!

Hoje também fui assistir o show da banda Vida Reluz no teatro Gazeta na Av. Paulista.

E quando eu sai do show olha só o que eu encontro… Elas mesmas! As vacas! Uma na Fnac e outra no meio da calçada da Paulista!

Digam “xis”.

Deslocado!

Não saber o que fazer, e o pior, barreiras foram colocadas em nosso meio.

Cadê emprego? Cadê dinheiro? Cadê liberdade de expressão?

É o amor não é sentimento expressível, deve fica escondido, sem que os outros saibam. Palavras doces, carinhos, olhares… O amor é escondido, o amor é encoberto, o amor é lindo.

Andarilho por oportunidade, sem conseguir nenhum vintém, o dia todo (quase todo), com chuva, com sol, vento, mormaço. Realmente São Paulo consegue ter as quatro estações em um mesmo dia.

Amo o amor que o amado me ama. Por isso amo.

E assim termina, terminando em pizza.

Dom!

Dom é coisa que se tem, mesmo que escondido por muito tempo um dia ele aparece. É como colocar um passarinho desde o nascimento em uma gaiola afastando de todos outros e de todos os sons, um dia, como por milagre ele começa a cantar.

Não dá pra esconder o que somos, nem o que gostamos de fazer, mesmo que nos proíbam, que não gostem do que fazemos, ou que não gostem da gente. Nosso dom vai está sempre aqui. Uma hora ou outra encontraremos outras formas de nos expressar, nem que seja preciso sair de perto dos que gostamos.

A vida é realmente complicada em sentido as pessoas, viver sozinho é muito ruim, mas viver na falsidade é muito pior. Não somos como as aves que voam livres pelo céu, temos nossos pés no chão, presos a nossa verdadeira realidade: o dia-a-dia. Encara-lo de forma verdadeira é sinal de perder muito, mas nesse muito sempre restam alguns, e é nesse algum que sabemos realmente com quem podemos contar, quem abraça junto com a gente.

Como a ave que encontra seu bando, também somo nós na busca constante da sincera amizade.

E vamos vivendo assim o nosso dom, seja ele qual for e como for, aprimorando a cada dia que passa.

Sábado cultural!

Este sábado foi bem agitado, o coral XI de Agosto se apresentou em uma escola municipal chamada Charles de Gaulle, no Jardim Ibirapuera em Santo Amaro.

A vibração das pessoas que nos assistiram foi muito contagiante!

Abaixo alguns registros!

A preparação para a apresentação!

A volta muito divertida.

Depois… um rápido passeio (Mas, sem comprar nada.) na 25 de Março no sol das 14:00hs

Quase não conseguir mas cheguei… O espetáculo O gato malhado e a andorinha sinhá, arrancou lágrimas de muita gente no teatro Adamastor

Fechando o dia com chave de ouro fui assistir Hitch – Conseleiro amoroso! Me matei de tanto rir! (Mas não levem tão à sério não. Ainda estou vivo!)

Pensamento de criança!

Concordo com você que a persistência pode vencer qualquer dificuldade, mas a vida não é só sonhar o impossível.

Quem tem experiência não se mete em encrenca, porque sabe que um dia tudo pode dar errado, e ai não adianta fazer um drama por um problema pequeno.

E é melhor esquecer este assunto, e vir logo almoçar, porque quem não se alimenta não tem força pra nada.

(Um papel jogado no quarto.)