Quem sou eu?

Quem sou eu?

Popularmente: Ronald, Ronaldinho, Little Ronald, ou simplesmente Rô.

Saiu da fábrica em: 20 de fevereiro de 1980.

Procedência: produto nacional, de São Paulo, Capital.

Pode ser encontrado: atualmente em Guarulhos, Aparecida e Mogi das Cruzes (SP), a preços populares. Moradores de outras cidades, estados ou países podem comprar pela internet através do www.ronaldosantos.com

Utilidade: produto bem adaptável às condições climáticas, sociais e afetivas. Serve como amigo, conselheiro, namorado, colega de trabalho, auxilia nos estudos, saco de pancadas, personal irritante e palhaço, às vezes.

Habilidades Básicas: fala (excessivamente, até sozinho), irrita exaustivamente, escreve textos de formatos e tipos variados, mexe os dois braços, e as duas pernas, e outras coisas também, faz suas necessidades fisiológicas como qualquer outro da sua espécie, sorri, ri, gargalha até doer o estômago, fica triste, chora (às vezes excessivamente também), fica estressado, em pânico e fadigado. Não se adapta facilmente à solidão, e desempenha melhor as suas funções se estiver acompanhado.

Idioma: Português PT-BR nativo.

Recursos extras: noções dramáticas, artísticas, e musicais. Vem com Web Designer e Designer Gráfico instalado, pilhas recarregáveis, graduação em Publicidade e Propaganda nas Faculdades Integradas Torricelli, pós-graduado em Design Instrucional no Centro Universitário Senac e pós-graduando em Cultura Teológica pela Universidade Católica Dom Bosco. Se bem cuidado, pode ser tornar altamente compreensivo e fiel.

Combustíveis: além de pilhas e rede elétrica, funciona muito bem a base de sopas, comida chinesa, massas, sorvete, sucos e saladas de frutas, comida caseira e um bom churrasco.

Manutenção: precisa ser levado ao cinema, teatros, shows, espetáculos, exposições, passear na Avenida Paulista ou ao Shopping. Se for levado para um bar ou balada, sua vida útil pode aumentar. Dê livros, páginas para escrever, e funções para cumprir, indique Séries de TV, permita que acesse a internet. Lave-o diariamente com água e sabonete, borrife alguma boa essência, deixe-o frequentar a academia, e, ouvir música deve ser um hábito diário.

Tipo de música recomendada para recarga: música boa, Pop Rock, MPB, Eletrônico, entre outras variedades de estilos. Funciona em potência máxima após ouvir Móveis Coloniais de Acajú, Audrey Assad, Jessie J, Marcelo Jeneci, Tulipa Ruiz, Maria Rita, Pato Fu, Silva, Cícero e etc..

Pode ser altamente danificado se: alimentado com goiaba, ovo, mudança brusca de temperatura, músicas de arranjos pobres, e letras de conteúdo chulo ou de duplo sentido, ou se não forem seguidas as dicas de manutenção já citadas.

Contra indicações: não é recomendado para pessoas mal-humoradas, incompreensivas, falsas, exibicionistas, fúteis ou que pensem ser o centro do universo.

Frequência de uso: pode ser usado diariamente, várias vezes ao dia. Não utilize só para se auto-beneficiar, nem o abandone por mais de 12 meses e/ou sem explicar por quê. Nesse caso a memória é programada para esquecer que você existe.

Prazo de validade: indeterminado (mas dura bastante).

Formas de reciclagem: em casos de danos graves, é necessário deixá-lo de molho e fazer uso de produtos bioquímicos. Em outros casos, um pedido de desculpa ou de perdão, acompanhado por um abraço, beijo ou aperto de mão geralmente é suficiente para que volte a funcionar.

Imagens do produto: disponíveis em Flickr

Quer saber mais? Entre em contato com a Central de Atendimento ao Consumidor. (Clique AQUI)

Trabalho

Trabalho

Desde junho de 2015 exercendo a função de Designer Multimídia Pleno para EaD na Universidade de Mogi das Cruzes. Antes disso, também na Universidade de Mogi das Cruzes,exerci a função de Designer Gráfico para EaD cuidando das apostilas digitais direcionadas aos alunos, além de suporte na área de artes gráficas do departamento.

Vida acadêmica

Pós graduando em Cultura Teológica na Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), Pós graduado em Designer Instrucional pelo Senac, Graduado em Publicidade e Propaganda, e Técnico em Web Designer e Designer Gráfico.

Diálogos excêntrico

Diálogos excêntrico

FreeImages.com/Haroldo Sena

No ônibus (a menina ao celular):

-Pão de leite sabe? Não!? 
-Igual pão doce. Você não conhece?
-Conhece pão francês, o de sal? 
-Então, ao contrário.

Escreva um comentário ou deixe uma nota para que eu possa saber a sua opinião à respeito deste texto. Se você gostou, clique no ❤ aí embaixo. Fazendo isso, você ajuda esse post a ser encontrado por mais pessoas.

Siga-me os bons:
TwitterFacebook - LinkedIn - Instagram - Telegram - E-mail

O AMAR como ato

FreeImages.com/Ayhan YILDIZ

O AMAR como ato

Aquele que crê em mim fará as obras que eu faço, e fará ainda maiores que estas… (Jo 14, 12)”. Foi isso que Ele disse. E é muito simples pensar sobre isso. Mesmo que eu não tenha nenhum poder ou dom miraculoso. Jesus fluía, e ainda flui nos dias de hoje pois sua Palavra é viva, amor, e se seguimos o que ele nos ensina, o “Amarás teu próximo como a ti mesmo… (Mt 22, 39)” podemos realizar “curas” fabulosas.

Pensa comigo.

Se seguimos os ensinamentos do Cristo, perdoaremos, iremos em favor dos mais necessitados, não teremos preconceitos, seremos mais tolerantes.

Esqueceremos aquela frase “ame o pecador e não o pecado” que já entra no mérito do julgamento, afinal Ele também nos diz “Não julgueis, para não ser julgados… (Mt, 7, 1)” e só amaremos, independente de qualquer situação, de credo, de gênero, orientações, entre outros.

Essa é a parte mais difícil de seguir a Cristo, amar.

Igrejas não são importantes, dogmas não são importantes, denominações não são importantes. O que importa em segui-Lo é o AMAR.

Acabei de lembrar de uma música cantada pelo excelente Pe. Zezinho, que a história consiste em uma criança que pergunta para um adulto o que é preciso para ser feliz, e ele responde sabiamente “Amar como Jesus amou” e não, viva separado, recluso, toque na ferida, diga que você é o certo.

Ame, e cure com o seu amor.
Ame, e transforme com o seu amor.
Ame, e acolha com o seu amor.
Ame, e seja misericordioso.
Ame, somente ame.

FreeImages.com/Ayhan YILDIZ

Escreva um comentário ou deixe uma nota para que eu possa saber a sua opinião à respeito deste texto. Se você gostou, clique no ❤ aí embaixo. Fazendo isso, você ajuda esse post a ser encontrado por mais pessoas.

Siga-me os bons:
TwitterFacebook - LinkedIn - Instagram - Telegram - E-mail

Passando de geração

Imagem: SXC.hu

Passando de geração

-Quando eu era pequena, mais ou menos uns 10 anos, seu avô se preparou para caçar, ele combinou com o vizinho da chácara ao lado que estaria às 20h na “espera” onde estava tudo preparado (espera: local, como o próprio nome diz, para esperar o animal, muitas vezes em cima das árvores, e no chão é colocado “iscas” para que o animal esperado caia na armadilha), cada um na sua, e o sinal para saber se o outro estava no local combinado era uma assovio característico com uma resposta posterior.

-Seu avô saiu de casa com a espingarda nas costas, chegando ao local colocou as iscas no chão perto da árvore e subiu para esperar. No horário combinado ouviu o sinal do companheiro, respondeu e foi respondido, e ficou por ali, despreocupado, atencioso e em silêncio para não assustar os animais da mata. De repente observou que um veado se aproximou, mas não da sua espera e sim da espera do outro, e comeu da isca deixada, percebeu que o amigo não fez nada, e ele também não podia fazer, a distância não deixaria que o tiro fosse preciso. O veado foi embora e logo chegou outro, impaciente assoviou novamente e foi respondido, pensou: “O cara ta lá e não faz nada? Tem algo errado ai…”

Resolveu descer da árvore e ir ao encontro do amigo, quando pisou no chão a folhas secas se levantaram como em um redemoinho e o envolveram, sentiu um arrepio, mas até ai tudo bem, ventava fraco aquela noite, foi em direção ao amigo, e no percurso sentiu que alguma coisa estava se aproximando e começou a rodia-lo, tentou correr, mas resolveu parar e começou a gritar: “Você está me sacaneando? Para com isso. Já perdemos duas caças. Correu até a outra espera, chamou pelo amigo, subiu na árvore e nada de encontrar o amigo, desceu e quando chegou ao chão aquela sensação de que tinha algo ali aumentou e que estava mais perto, não teve dúvidas, saiu correndo de volta para casa, e sentia que quanto mais corria, mais perto a “coisa” chegava perto dele, atravessou um rio, no reflexo da água viu um vulto, parou, olhou para trás, mas não via nada, cansado, mas já perto da estrada fora da floresta falou ofegante: “Quem é você? O que quer de mim?” E mais uma vez não houve resposta, irritado ele gritou: “Volte para a floresta e me deixe em paz! — então ouviu um forte grito, um grito misturado com uivo, e de tão forte teve que tapar os ouvidos com as mãos. Ao seu lado havia um pé de Embu carregado e verde que começou a balançar violentamente, e sem mais nem menos, em um estalo, começou a pegar fogo, ele olhava para aquilo sem entender, a árvore caiu quebrando no chão e por pouco não caiu em cima dele.

-Nervoso, assustado e cansado gritou: “Pelo amor de Deus, volte para o seu lugar, me deixe em paz. Só quero voltar pra casa!

-Tudo silenciou.

-Ele chegou em casa, sentou em uma cadeira e ficou ali, acordado a noite inteira, de manhã cedinho saiu e foi na casa do amigo, e lá o encontrou, ele disse que teve um problema com a esposa, e por isso não pode sair para caçar com seu avô.

-Seu avô pediu pra ele o acompanhasse para ver tudo o que havia acontecido, e por incrível que pareça todas as coisas estavam no seu devido lugar, até mesmo o pé de Embu, carregado e verde.

-Ele pensou que estava louco, mas seu amigo o advertiu: “Não se deve brincar, nem desafiar o espírito da floresta.”

– Nossa mãe, o vô passou por tudo isso? E será que é verdade?

-Claro que é, eu vi como ele ficou. E essa é apenas uma história das muitas outras que acontecem no interior.

-E a senhora acredita?

-Sempre, nunca duvidei do seu avô.

-Se é assim, eu também acredito.

Neste dia 31 de Outubro, dia daquela famosa festa nos EUA, venho republicar uma história que representa muito sobre o nosso folclore.

Baseado em fatos reais

Meu avô não era louco. Não não consumia bebida alcoólica, ou qualquer outro tipo de droga. E essa é uma pequena homenagem a ele, que está no céu. Que Deus o tenha.

Você sabia?

Pela Wikipédia:

Folclore é um gênero de cultura de origem popular, constituído pelos costumes, lendas, tradições e festas populares transmitidos por imitação e via oral de geração em geração. Todos os povos possuem suas tradições, crendices e superstições, que se transmitem através de lendas, contos, provérbios e canções.

O Dia das Bruxas (Halloween é o nome original na língua inglesa) é um evento tradicional e cultural, que ocorre nos países anglo-saxónicos, com especial relevância nos Estados Unidos, Canadá, Irlanda e Reino Unido, tendo como base e origem as celebrações pagãs dos antigos povos celtas.

Características do fato folclórico

Para se determinar se um acontecimento é folclórico, ele deve apresentar as seguintes características:

Tradicionalidade: vem se transmitindo geracionalmente.
Oralidade: é transmitido pela palavra falada.
Anonimato: não tem autoria.
Funcionalidade: existe uma razão para o fato acontecer.
Aceitação coletiva: há uma identificação de todos com o fato.
Vulgaridade: acontece nas classes populares e não há apropriação pelas elites.
Espontaneidade: não pode ser oficial nem institucionalizado.

As características de tradicionalidade, oralidade e anonimato podem não ser encontrados em todos os fatos folclóricos como no caso da literatura de cordel, no Brasil, onde o autor é identificado e a transmissão não é feita oralmente.

As manifestações folclóricas são: músicas, danças, usos e costumes, artesanato, crendices, superstições, festas, jogos, lendas, religiosidade, brincadeiras infantis, provérbios, mitos, adivinhações e outras atividades culturais que nasceram e se desenvolveram com o povo.

Escreva um comentário ou deixe uma nota para que eu possa saber a sua opinião à respeito deste texto. Se você gostou, clique no ❤ aí embaixo. Fazendo isso, você ajuda esse post a ser encontrado por mais pessoas.

Siga-me os bons:
TwitterFacebook - LinkedIn - Instagram - Telegram - E-mail

Um sorriso simples

Um sorriso simples

Eu não tenho costume de dar dinheiro para as pessoas que me pedem nas ruas. Pra falar a verdade, geralmente eu nem as escuto. Já falo que estou com pressa, que não tenho dinheiro, entre outras desculpas. Tá certo que na maioria das vezes não estou mesmo com dinheiro nos bolsos, não tenho esse costume.

Mas onde está o meu sentimento cristão da partilha? Até parece que sempre, antes de sair de casa coloco ele (o sentimento) em um pote e deixo no fundo da gaveta.

E sabe aquela passagem “Tu, porém, quando deres esmola, não saiba tua mão esquerda o que faz a direita…” (Mt 6, 3)? Eu não consigo. Sempre penso no que a pessoa pode fazer com a grana… Drogas, pinga, e tudo mais de ruim. Nunca penso que a pessoa irá fazer um proveito para o bem daquilo que é pedido.

Mas neste final de semana, estava eu e o Ronaldo (sim, somos dois Ronaldos), no aeroporto esperando um amigo que iria nos buscar, e de repente chegou um rapaz, ele estava sujo, com as roupas surradas, barba grande. Parou em nossa frente e puxou assunto.

Eu como em todas as outras anteriores situações não dei muita atenção para o que ele estava falando fiquei mexendo no celular enquanto o outro Ronaldo, muito educadamente conversava com o rapaz.

Mas não sei porque, naquela noite, lembrei que haviam moedas em meu bolso, não eram muitas, e quando vi que o Rô estava entregando algumas para o rapaz, peguei as minhas e entreguei também.

O Rapaz ficou muito feliz, nos agradeceu com um aperto de mão — eu tenho problemas de TOC com as minhas mãos, mas procurei não pensar nisso — sorriu e saiu.

Ele ainda passou por nós dois umas duas vezes, acenou com a cabeça, fez sinal com as mãos, sempre sorridente.

Passado uns 20 minutos, um rapaz de barba feita, rosto lavado, passou em nossa frente, acenou com a cabeça, fez sinal com as mãos e sorriu. Olhei para o Rô e disse: “É o rapaz que veio conversar com a gente!”. Ficamos super felizes, ele ainda estava com as roupas sujas, mas estava bem melhor que antes.

Deduzimos que ele deve ter ido em alguma farmácia por perto, comprou uma lâmina de barbear, foi ao banheiro do aeroporto e fez a barba.

Não quero com esse texto dizer que eu sou o máximo por ter ajudando uma pessoa, e coisa e tal, esse não é o caso, afinal, o dinheiro que entregamos para ele era muito pouco. Mas sim dizer como aquele rapaz, com aquele sorriso me ajudou. Um sorriso simples, que me fez pensar que às vezes fazemos de nossos pequenos problemas grandes causas, sendo que tem pessoas com problemas maiores que os nossos.

Escreva um comentário ou deixe uma nota para que eu possa saber a sua opinião à respeito deste texto. Se você gostou, clique no ❤ aí embaixo. Fazendo isso, você ajuda esse post a ser encontrado por mais pessoas.

Siga-me os bons:
TwitterFacebook - LinkedIn - Instagram - Telegram - E-mail

Percebi

Percebi

Logo depois de ontem, percebi que a vida não é nada diferente daquilo que as pessoas imaginavam. O que é o novo? Será que elas sabem que se renovam? Ou será que elas pensam que continuam naquela morbidez de sempre? Na mesma monotonia?

Ah! Quantos pensamentos!

E eu aqui, depois de ontem percebendo que a vida parece ser sempre a mesma, e notando que ela sempre se renova.

Alguém já percebeu isso?

O duro é perceber que aquele que mais diz que ama pode ser aquele que mais mal deseja. Ou nunca fizeram essa comparação?

O bom é perceber que sou amado, e, perceber que posso amar, sem interesses, sem julgamentos, sempre da mesma forma e sempre me renovando, cada dia é um dia a mais e cada vez mais percebo isso, a renovação atua na rotina e assim por diante, criando um circulo quase imperceptível se direcionando para vários caminhos.

Percebi que o mal pode ser quebrado, e que os maldizeres esquecidos pela força do amor. Percebi que o amor é fonte de vida, que o caminho é longo e a jornada é dura.

Mas como dizer não a tudo isso?

Só se estivesse petrificado, imóvel, sem esperança, morto e enterrado.

Finalmente percebi, estou vivo e cheio de vida, pronto para a batalha, confuso e contente, ansioso e com medo.

Realmente estou vivo!

Escreva um comentário ou deixe uma nota para que eu possa saber a sua opinião à respeito deste texto. Se você gostou, clique no ❤ aí embaixo. Fazendo isso, você ajuda esse post a ser encontrado por mais pessoas.

Siga-me os bons:
TwitterFacebook - LinkedIn - Instagram - Telegram - E-mail

Por que não antes?

Por que não antes?

E de repente, eis que surge uma criança morta na praia…

Claro, eu estou abalado, e procuro nem ver a foto da criança síria que foi encontrada morta na praia, foto essa que foi espalhada aos quatro cantos da Galáxia. Triste.

Não, não estou insensível a situação, mas quando as mensagens, imagens, informações começam a se repetir em excesso acabamos passando por elas despercebido, sem atenção, e só voltamos à tona quando algo extraordinário acontece.

Foto: Yazan Homsy/Reuters

Foi o que aconteceu, não estávamos nem aí para a guerra civil na Síria, guerra essa que perdura por mais de quatro anos, ou para as questão das imigrações, dos refugiados, claro que nem todos, mas em maioria. E alguns pensamentos como “lá vem esses estrangeiros roubar nossos empregos nesse país que já está mais pra lá do que pra cá…”, com certeza surgiram em nossas cabeças.

Quer entender a Guerra Civil da Síria? Clique AQUI.

E de repente, eis que surge uma criança morta na praia, o pequeno Aylan, tão indefeso. E milhares de compartilhamentos, ilustrações, textos, entre outros surgem em nossas Timelines.

Por que não antes? Antes do pequeno Aylan?

Agora, “somos todos Síria”, e as hashtags rodam informando que o mundo está chocado, e pedindo que que se acolham os refugiados, que tenham piedade, que melhoremos nossos pensamentos, que abramos nossas fronteiras e nossos corações.

Por que não antes?

Mas aconteceu e é hora de pensar, de conversar sobre o assunto, de abrir novas vertentes, coisa e tal…

Foto: Yazan Homsy/Reuters

E por que não falar também dos nossos refugiados? Pessoas que vieram de diversos lugares dentro do nosso próprio país? Que estão marginalizados, jogados na ruas, dormindo ao relento? Antes que aconteça alguma coisa, ou mais algumas coisas como chacinas, mortes, drogas e afins?

Sim, sou a favor da abertura das fronteiras, de todas elas, e que sejam dadas condições para que as pessoas vivam. Que sociedade, governos, entidades um dia possam se unir pela vida e não pelos próprios interesses. Utopia.

E Que não surjam outros Aylan na praias, escadarias, ruas e sarjetas.

Dou-vos um novo mandamento: Amai-vos uns aos outros. Como eu vos tenho amado, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros. (Jo 13,34)

Escreva um comentário ou deixe uma nota para que eu possa saber a sua opinião à respeito deste texto. Se você gostou, clique no ❤ aí embaixo. Fazendo isso, você ajuda esse post a ser encontrado por mais pessoas.

Siga-me os bons:
TwitterFacebook - LinkedIn - Instagram - Telegram - E-mail

O que vale mais?

O que vale mais?

Acho incrível quando uma pessoa trata uma outra pessoa como uma “não pessoa”. Não sei se você que está lendo, me entendeu direito.

Sabe, quando alguém se refere a outra, não por ela ser uma pessoa, ou por seu caráter, personalidade, enfim, mas sim, pelos seus traços ou condições? Tipo, “é preto, então não presta, é ladrão” ou então, “é gay, é pedófilo, e safado” ou ainda, “ele é católico, ele é evangélico, melhor não se misturar”.

Sei que esta conversa já está batida, mas também já está ultrapassado esse sentimento. Será que isso é mesmo um sentimento?

E eu vejo isso até mesmo dentro da Igreja Católica, instituição essa em que participo e acredito, e falo isso por conhecimento, algumas pessoas são tratadas como escória do mundo por causa das suas condições, e outras, mesmo com a reputação comprometida (traição, roubo, blasfêmia entre outros.), são louvadas e exaltadas, pois tem um “bom nome”, ou por aquilo que possuem.

Estou falando demais? O que vale?

Escreva um comentário ou deixe uma nota para que eu possa saber a sua opinião à respeito deste texto. Se você gostou, clique no ❤ aí embaixo. Fazendo isso, você ajuda esse post a ser encontrado por mais pessoas.

Siga-me os bons:
TwitterFacebook - LinkedIn - Instagram - Telegram - E-mail